Aprenda a eliminar as cólicas do seu bebê

Aprenda a eliminar as cólicas do seu bebê

Nada preocupa mais nós mamães que o choro dos nossos bebês nos primeiros meses de vida, não é mesmo? Não é fome, pois ele mamou quase agora e não aceita o peito, nem fralda suja, já que acabou de tomar banho. Mas saiba que pode ser algo tão normal e esperado, a cólica.  Ela é  comum em bebês desde o nascimento, principalmente depois dos 15 dias, seguindo até os três meses de vida, normalmente ocorre no mesmo horário.  É uma sensação nova para o bebê e dói muito. Observe que o bebê fica inquieto, com rosto vermelho, fazendo caretas, se contorce e encolhe as perninhas até a barriguinha. A cólica acontece por imaturidade do sistema digestivo do bebê. Essa imaturidade faz com que as paredes intestinais se contraiam e relaxem sem controle e isso pode resultar em gases e levar à cólica.

Há uma série de hipóteses relativas às causas da cólica, dentre elas:

• Alergia  a proteína do leite materno

• Sistema nervoso e altamente sensível

• Tensão no ambiente que vive e ansiedade dos pais. Se a mamãe fica nervosa, o bebê sente essa ansiedade e insegurança, por isso a mamãe tem que tentar ficar o mais tranquila possível e passar segurança para o seu bebê com muito amor e carinho.

Medidas que auxiliam nas Cólicas

1. Massageie a barriguinha do bebê

Ao perceber o desconforto da criança, acaricie a barriga do bebê com movimentos circulares no sentido horário. “Com as mãos em concha, deslize uma de cada vez pela barriga da criança, partindo da base das costelas em direção ao púbis. O toque deve exercer uma pressão suave”. Também é eficaz exercitar o filhote. “Coloque o bebê deitado e dobre lentamente os joelhos dele de modo que as coxas pressionem de leve a barriga. Depois, estenda novamente as pernas e recomece, como se ele estivesse pedalando. O movimento pode ser feito várias vezes ao dia, não apenas na hora da dor.

2. Dê um banho quente

Prepare um banho de imersão regulando a temperatura da água entre 36ºC e 37ºC. Cuide para que o ambiente esteja silencioso e, se possível, coloque uma música suave tocando baixinho. Diminua a luz e converse com seu filho ou cante para ele.”A percepção de uma atmosfera calma ao redor tranquiliza o bebê, e a água na temperatura do corpo proporciona uma sensação muito próxima à que a criança experimentava no útero. É uma experiência que a faz relaxar e, com isso, a cólica cede”.

3. Faça uma compressa

Passe uma fralda a ferro e coloque-a ainda quente sobre a barriga da criança ou use uma bolsa térmica com água morna. O calor favorece a vasodilatação, facilita o fluxo sanguíneo e relaxa a musculatura, diminuindo o desconforto abdominal. Atenção mamãe,  tenha o cuidado de testar a temperatura do tecido ou da bolsa para não queimar a pele delicada do bebê.

4. Tente um contato pele a pele

Quando deitado de bruços sobre o peito do pai ou da mãe, o bebê consegue expelir mais facilmente os gases que o incomodam e agravam a cólica. “Se puder, aqueça levemente o quarto para o pequeno não sentir frio. Tire sua blusa e a roupa dele, deixando-o apenas com a fralda. O contato pele com pele aconchega, enquanto o cheiro e a voz da mãe ou do pai transmitem calma e segurança”.

5. Enrole o pequeno no cueiro

“Ao envolver o corpo do bebê como se fosse um pacotinho, o cueiro proporciona uma sensação de aconchego e segurança e diminui a irritabilidade e a agitação da criança”, orienta a pediatra Patrícia P. de Mello, de São Paulo. Outro expediente simples é distrair o bebê com uma caminhada pela casa, segurando-o de bruços, com a barriguinha apoiada nas suas mãos – esse contato aquece o abdome e traz o conforto do toque.

6. Ofereça o peito

A maioria dos bebês se acalma quando recebe o leite materno. “A estimulação oral que decorre do movimento de sucção é uma fonte de satisfação que ajuda a amenizar a cólica”. Só não convém oferecer o seio se a criança tiver acabado de mamar ou se ela recusar repetidamente o peito.

7. Previna os gases

A quantidade de ar que o bebê engole a cada mamada pode provocar gases e agravar a cólica. Por isso, é indispensável fazer a criança arrotar para expelir o ar engolido durante a amamentação. Para os pequenos que não mamam no peito, existem mamadeiras especialmente projetadas para evitar a cólica.

8. Controle sua alimentação

Não há pesquisas conclusivas sobre a relação da dieta da mãe com as cólicas do bebê. No entanto, convém diminuir o consumo de alguns alimentos e observar se isso faz diferença. “Os produtos industrializados contêm corantes, conservantes e estabilizantes, que às vezes dificultam a digestão da criança”.

9. Saia de cena e acalme-se

As cólicas e seu choro típico podem durar horas. Enquanto tenta acabar com o sofrimento do pequeno, a mãe muitas vezes fica tensa e nem se dá conta disso. Começa, então, um círculo vicioso: o bebê, supersensível, percebe a impaciência da mãe, fica inseguro e reage sentindo mais dor. Ela segue com os cuidados e, sem sucesso, vai entrando em pânico. Antes de perder o controle da situação, é melhor pedir ajuda e sair de cena. Nesse momento, como ensina Sandra, o pai pode ser um santo remédio, assumindo o posto até que você se recupere. Depois de um banho, de uma boa refeição, de alguns momentos em silêncio e já recomposta, será mais fácil voltar a cuidar do filho.

10. Em último caso, medique

Com tantos avanços da medicina, não existe remédio para tal sofrimento? Sim, os pais podem contar com os analgésicos infantis e com os medicamentos antiflatulente, mas apenas os que são receitados pelo pediatra e, principalmente, só na hora da cólica. “Esses remédios não têm efeito preventivo. E é bom lembrar que todo medicamento apresenta contraindicações”.

 

Participe com a sua Opinião